sábado, 8 de outubro de 2011

Desafio 3o. Canoísta de Ferro - Edição 2011



Sucesso total para o 3º. Canoísta de Ferro- Trajeto concluído em tempo recorde - 8 horas de remada.

04:00 horas da manhã do sábado. Tempo estável, sem chuva, nível do rio Itapocú normal. Começa o 3º. Desafio Canoísta de Ferro.

06:30 horas, Praça da Lagoa de Barra Velha, aquecimento para a largada. Prontos para o desafio: 10 canoístas de muita experiência:Adilson Pommerening, Alcacir Cardoso, Darci Cardoso, José Hebert, Luciano Bortolini, Luciano Barizon, Marcos Zanghelini, Wilson Volz, Osiel e Jackson. Apoios: Francis, Marcia e Adilson Klein.

Tempo nublado, gostoso para a prática da canoagem. Nível da lagoa muito baixo, sinal de que provavelmente teríamos logo a seguir uma maré enchente, o que facilitaria a subida dos primeiros 15 quilômetros.

Tudo certo, largada em busca do objetivo: Chegar até a represa de Guaramirim, 60 Km rio acima, no mesmo dia.

08:00 h. Primeira parada: Ponte da BR 101. Tudo certo, desafio correndo bem. Todos remando juntos.

10:45 h. Última parada da manhã: 3 Km antes da balsa. Até este ponto tudo ótimo, condições de vento, vazão do rio, clima perfeitos. Evoluímos bem, mas conforme combinado, largamos sem a chegada de um dos caiaques duplos, o qual está atrasado. A partir deste ponto, os próximos 8 Km mais difíceis, com corredeira constante causando extremo desgaste. É o ponto onde para quem não estiver muito bem preparado começam as câimbras, estouram os primeiros calos nas mãos e o cansaço geral derruba.

12:10 Chega o primeiro caiaque no Salto de Guamiranga. Chegar ao salto significa 70% do desafio concluído, em termos de esforço físico.  É uma vitória conseguir chegar até aqui.
Na sequencia, todos os desafiantes chegam para o almoço.

13:00 h. Retomada da remada rumo ao destino, Represa de Guaramirim.

16:30 h.  Finalmente chegamos ao ponto final. 10 horas depois, sendo 8 horas remando. Está provado mais uma vez que é possível fazer o trajeto rio acima em apenas um dia. Mas o canoísta tem que estar preparado física e psicologicamente, pois o desgaste é extremo.
Pose para a foto final e alguém pergunta: Galera, ano que vem tem mais? Sim, é consenso. Todos querem encarar o desafio novamente. Então até lá.




Este post contou com a colaboração de Marcos Zanghelini  - (texto e imagens).